LiveZilla Live Help
 
 

 

contato@studioclips.com.br
11 4171.8844 (Fixo)
11 99443.3221 (TIM)
São Paulo - SP

 

       
  • picture

     

  • picture

     

  • picture

     

  • picture

     

  • picture

     


 
 

 

Sua Marca, Seu Sucesso!

 

 

Quanto vale a sua marca?

Você já pensou nisso. Hoje as empresas focam sempre a fixação de uma marca, que fique na memória do consumidor.


Mas, como sua marca é lembrada.


A uma certa distorção entre a visão do consumidor e a visão da diretoria. As empresas fazem o marketing muito bem, porém na prática a visão é totalmente outra.

Os Bancos tem marcas bem lembradas, altamente valorizadas, que coloca a empresa como uma empresa ética, que respeita seu cliente, que resolve os problemas rapidamente, etc.

Ai vamos fazer uma pesquisa na lista do Procon, onde está os maiores números de reclamações?

Surpresa: no setor financeiro; então porque isto acontece.

Acontece por fatos simples, às empresas estão vendendo uma imagem que não condiz com as atitudes que ela faz no dia a dia, o publico interno (leia-se funcionários) não estão falando a mesma linguagem de quem criou a marca, e isto pode afetar e muito a sua empresa.

A criação de uma marca tem que ter um envolvimento global de todos na sua empresa.

Do setor de produção até na área comercial, todos devem vender a mesma imagem.

De nada vai adiantar gastar milhões construindo uma marca, se seus funcionários não vendem isto.


Avalie bem, quanto vale a sua marca?

A sua marca condiz com os serviços prestados? É real o que você prega?. Responda a estas perguntas e você poderá ter um diagnostico melhor da visão que os consumidores tem da sua empresa.

Hoje a marca deve focar-se em vender serviços de qualidade, mostrar a missão da sua empresa, mostrar o respeito pelo seus consumidores, mostrar a ética junto a seus colaboradores, mostrar sua ajuda para a sociedade, construir uma marca com forte identidade visual e acima de tudo agregar valores para seus consumidores. E isto parece cada vez mais distante da sua empresa.

A marca é um dos recursos mais eficientes para desempatar a mesmice dos produtos e serviços, então não fique parado, invista.

Pense nisso.

Invista não só na criação da marca, mas também na fidelização desta marca, no comprometimento com seu consumidor e a faça de uma forma respeitável.

Não deixe que seu consumidor perca a confiança na sua empresa, confiança uma vez perdida nunca mais é restabelecida.

por: Carlos Eduardo Melo dos Reis

 

 

clique aqui para voltar ao topo

 

 

 

 

 

 

Por que ter um cartão de visitas?

 

 

O cartão de visita tem várias funções. Ao entregá-lo, você está convidando o outro a manter contato com você. Além disto, ele indica a forma correta de escrever seu nome, define sua ocupação e posição e indica as formas do outro te encontrar. Agora, um bom cartão de visita, além de todas as funções acima, ajuda a destacá-lo dos demais, dá credibilidade a você e ao seu negócio e reflete sua marca pessoal.

O cartão não pode ser apenas bonito. Seu design deve comunicar de forma clara e precisa quem você e sua empresa são. Seu cartão é sua forma de comunicação com seu público-alvo e é uma forma de diferenciação. O formato, cores e fontes escolhidas devem ajudar a transmitir sua marca. Não adianta você gostar do cartão de visita de outra pessoa e copiá-lo para seu negócio se o que o design transmite não estiver de acordo com a imagem e valores de sua empresa e sua área de atuação. É a mesma coisa com o guarda-roupa. Você pode adorar o figurino de seu amigo publicitário, mas ele não vai funcionar no seu escritório de advocacia.

Vale a pena um bom investimento nessa área. Por mais que as papelarias forneçam material para você criar seu próprio cartão, não se aventure nessa área se não for sua especialidade. Você pediria para um mecânico fazer seu tratamento de canal? Pois é. Contrate um designer ou uma agência de marketing, escritório de design ou branding para desenvolver sua identidade visual.

O que você escolher como design para seu cartão deve ser o padrão para todo o resto de seu material impresso. Existe também toda uma arte no modo de lidar com o cartão de visita de forma a valorizar e fortalecer sua imagem. Para começar, nada de guardar seus cartões soltos em um bolso qualquer.

Guarde-os em um lugar de fácil acesso, em um porta-cartão de qualidade, que combine com seu estilo pessoal e transmita uma imagem profissional e coerente com sua área de atuação. Nada pior do que ficar remexendo em suas coisas em busca do seu próprio cartão e ainda por cima entregá-lo sujo ou amassado.

Seu cartão é valioso e deve ser tratado como panfleto. Ao entregar um cartão para alguém, você está indicando que aquela pessoa vale seu tempo e atenção. Ele não deve ser entregue indiscriminadamente, para qualquer um, como propaganda do seu negócio. Para isto, faça um folder. A princípio, os cartões devem ser usados apenas em situações profissionais, como reuniões de trabalho. Em eventos sociais, guarde-os apenas para aqueles com que você acha que vale a pena manter o contato. Não vá sacando seu cartão logo de cara.

Converse com a pessoa até ter certeza de que você quer ser encontrado. Nunca entregue um cartão de visita com informações desatualizadas. Sabemos que a empresa de telefonia pode mudar repentinamente seu número de telefone e você se ver com centenas de cartões que perderam a utilidade. Refaça-os imediatamente e jogue os antigos no lixo. Se você souber de antemão sobre quaisquer mudanças, o ideal é correr e ter tudo pronto o quanto antes.

A tolerância é de aproximadamente 30 dias para que você continue entregando os cartões antigos, corrigidos à mão. Ao receber uma cartão, passe os olhos antes de guardá-lo. Se você recebe um cartão e o guarda de qualquer jeito, sem lê-lo, transmite a imagem de alguém que não valoriza o outro e seu negócio. Como quer que o outro o valorize então?

É apenas um pequeno pedaço de papel. Porém pode fazer toda a diferença na sua imagem e a forma como os outros acreditam que conduz seus negócios.

Fonte: Revista Você S/A

Quer fazer sua papelaria?
Criação de papelaria e cartões de visita

 

 

clique aqui para voltar ao topo

 

 

 

 

 

 

Mudar ou não mudar a Marca

 

 

É mesmo necessário mudar?
Alina Wheeler (2006, Desiging Brand Identity) cita 6 justificativas de mudança que acho fundamental aplicar como cartilha para uma real avaliação da necessidade de mudança. Mudar por mudar - porque um dos sócios não gosta ou porque as cores não agradam, enfim, por justificativas pessoais definitivamente não estão nessa lista.


As possibilidades são:

- Uma nova empresa, um novo produto
- Mudança de nome (que obviamente também não deve ser uma ação gratuita)
- Revitalização da marca
- Revitalização da identidade corporativa
- Criação de um sistema integrado de identidade visual
- Fusão da empresa


As empresas possuem uma história e mudar a marca vai repercutir de alguma forma interna e externamente. Funcionários e colaboradores precisam estar engajados no processo - seja por participarem efetivamente das mudanças e crescimentos internos ou seja por verem a empresa crescer. Clientes, fornecedores e concorrentes precisam perceber que a empresa mudou. Enfim, a mudança da marca é um parte de um processo maior.


Mas muitas vezes essa mudança interna não é premente. Acontece apenas que a empresa se dá conta de que aquela marca desenvolvida num primeiro momento talvez não de forma profissional ou sem sua devida importância, possui falhas. Mas como a empresa tem sua história e sua marca já é conhecida pelos seu público e, principalmente, como não é o caso de uma mudança estrutural (na maioria das vezes sim, de crescimento), mudar radicalmente a marca talvez não seja a opção mais adequada.


Para esses casos então vale uma revitalização da própria marca, da sua identidade corporativa ou a criação de um sistema completo e integrado de identidade visual que una produtos e serviços em uma mesma linha de design bem como alinhe toda a comunicação da empresa. Isso significa modernizar a marca, seus traços, talvez cores e certamente aplicações. Mas nestes casos guardar semelhança com a marca antiga talvez seja o maior desafio para a empresa que estará cuidando desta tarefa: mudar sem perder a referência.

fonte: renatazilse.blogspot.com

 

 

clique aqui para voltar ao topo

 

 

 

 

 

 

Branding para pequenas empresas

 

 

Para aqueles que estão se introduzindo no mundo do empreendedorismo, o design de marca pode parecer algo distante ou simplesmente caro para o momento, já que os impostos e as taxas devoram grande parte do orçamento criativo de que se dispõem estes corajosos salvadores da economia nacional, nos primeiros anos de atividade.

Mas ouçam: o design pode ser decisivo para seu negócio dar certo. E a pergunta surge: Será que estou fazendo isso certo?

O mais importante para um design de marca é identificar, informar e conectar. E mesmo que não seja feito por um “designer profissional” ele deve seguir certas regras para não se tornar um problema de comunicação para a empresa.

Menos é mais.

Esta é a primeira regra, menos informação é absorvida mais rapidamente. Uma imagem é melhor que um texto, uma palavra é melhor que uma frase, e por fim, uma cor é melhor que cinco.

Na hora de criar, seja simples, não use letras rebuscadas e ornamentos que só enfeitam e nada dizem. Uma marca deve ser direta, forte e elegante por mais despojado que seja o seu ramo de negócio.

Outro cuidado, muito importante, porém deixado de lado pela maioria dos queridos entusiastas do desenho, é a aplicação da marca. Estou falando em como a marca aparecerá num ícone e depois em um outdoor ou ainda no baú de um caminhão. Como irá se portar sobre texturas e fundos coloridos?

Agora vamos falar um pouco sobre sua marca nas coisas. Comecemos pelo cartão de visitas, ou “personal card” em inglês. Como o nome já diz, é um cartão pessoal e deve ser usado, em visitas, “reuniões, apresentações pessoais e etc.” e serve simplesmente para dizer “Eis aqui como achar a mim e à minha empresa”. Um cartão bem diagramado e que consiga apresentar algo a mais que o faça ser diferente dos outros três mil da caixinha do seu fornecedor ou cliente será decisivo para a escolha da sua empresa e não a da concorrente. Capriche no papel, no corte e se já tiver uma marca bonita e bem desenhada, será meio caminho andado.

Uma dica preciosa:

Mala direta: não envie, a menos que seja muito, mas muito necessária de forma que não haja outra maneira. Certifique-se que estejam realmente esperando sua mala direta chegar, e que esta será muito bem recebida, caso contrário, não mande, use o dinheiro num novo balcão ou num novo uniforme para seus funcionários. Isso pode funcionar muito melhor que sua mala direta junto com um monte de lixo acumulado em caixas de correio.

O Site.

Mas afinal, o que é isso? Bom, se está pensando em ter um site ou se já tem um, e está refletindo sobre sua real eficácia, a melhor maneira de chegar a alguma conclusão é se perguntar: por que alguém entraria no site da minha empresa?

No começo da internet houve uma explosão de sites cujo objetivo era apresentar a empresa, como num folder institucional online. Esta internet seria um casamento de um vídeo institucional de treinamento com um cartão de visitas todo bonitinho. Bom isso de fato funcionou durante certo tempo como instrumento de divulgação e era um importante diferencial. Já faz uns 15 anos que não é mais assim. O site institucional serve para mostrar o que sua empresa faz, para quem faz, como faz, certo?

Errado! Serve também para mostrar como seus funcionários se sentem fazendo o que fazem, como sua empresa transforma a vida da comunidade em que está inserida, a opinião da sua empresa sobre o futuro, o meio ambiente e até mesmo posicionamento político, mostrar como estão antenados com o mundo e sempre buscando informações que os ajude inovar cada vez mais melhorando o atendimento, seus produtos e a vida como um todo.

Um site pode ser muito mais que um simples casamento sem festa.

Por Leandro Reis

 

 

clique aqui para voltar ao topo

 

 

 

 

 

 

Cores & Significados

 

 

Ao decidir adotar um logo para sua empresa, você terá que optar para uma cor. Segue uma breve explicação e significados de cada uma das cores: :
 

° Azul : O azul é uma cor fresca, tranqüilizante, que se associa com a parte mais intelectual da mente, assim como o amarelo. O azul ajuda a controlar a mente, a ter clareza de idéias e a ser criativo.

° Amarelo : O amarelo é uma cor que contribui para a felicidade. É uma cor brilhante, alegre, que simboliza o luxo. O amarelo por ser intenso deve ser usado em tons mais suaves para não se tornar cansativo.

° Vermelho: O vermelho simboliza o poder, é a cor que se associa com a vitalidade e a ambição., é a cor da paixão. O vermelho contribui também para a confiança em si mesmo, a coragem e uma atitude otimista ante a vida.

° Verde: O verde tem uma forte afinidade com a natureza e nos conecta com ela, nos transmitem refrescância. faz empatizar com os demais encontrando, de uma forma natural, as palavras justas. O verde nos cria um sentimento de conforto e relaxação, de calma e paz interior, que nos faz sentir equilibrados interiormente.

° Marrom: A cor marrom é a cor da Mãe Terra. O marrom nos dá a sensação de estabilidade e afasta a insegurança.

° Branco: A cor branca é a mais pura de todas, assim que representa à pureza. É a cor mais protetora, contribui à paz e ao conforto.

° Preto: O preto é ao mesmo tempo cor de proteção e mistério. Cor da noite e introspecção. Na moda tem se destacado como cor sofisticada e elegante.

° Lilás: Cor da espiritualidade e misticismo Cor ligada à intuição, fantasia e mistério .

 

 

clique aqui para voltar ao topo